“Nomes e rostos, finalmente.” Essa fala já diz muito sobre esse episódio, em que conseguimos entender mais quem são alguns dos personagens e seu nível de importância.

Começando com Logan que eu tinha certeza que era só um playboy rico afim de fazer coisa errada sem lidar com as consequências. Ele é isso, sim, mas eu não imaginei que ele era o principal financiador do projeto e que o nome da empresa, Delos, vinha dele. O cara é praticamente o dono de tudo e eu (e provavelmente quem mais só ficou sabendo disso agora comigo) fiquei chocada. Além disso, William, que já tinha me surpreendido antes por ser, na verdade, o Homem de Preto/Bill no passado, revelou mais de seus segredos.

A “culpa” de Dolores saber mais do que deveria deixou de ser só de Bernard e Robert e passou a ser um pouco dele também. Depois de puxar o tapete de Logan e começar a trabalhar com o pai de Logan, Bill logo se tornou o maior influenciador dali de dentro. Eu nunca entendi o porquê do Bill ser tratado como um rei ali dentro, tendo uma narrativa (de Dolores e Teddy) escrita quase somente pra ele. E depois com toda a bagunça sobre o jogo. Agora dá pra entender o poder e “importância” dele.

E sobre o novo jogo, Bill continua seguindo as dicas. E se realmente foi Robert quem criou esse jogo há as perguntas de como e por quê? Parece que todos os anfitriões do jogo estão programados para isso, então desde quando isso estava sendo planejado? Minha teoria é que por algum motivo Robert também queria que os anfitriões se rebelassem e que eles não estão “acordados”, mas apenas seguindo uma narrativa que nenhum dos programadores tinham conhecimento sobre. Tirar Bill do caminho, distraindo-o com esse jogo é uma boa forma de fazer com que ele entre nessa nova narrativa sem perceber. Mas ainda há a pergunta de “por quê?”.

 

 

Uma das questões levantadas por Dolores nesse episódio foi o real objetivo do parque. Será que era só pra entretenimento? No começo, parece que sim; mas uma vez que Bill tomou a frente das decisões ele tornou o parque em um grande espião, gravando todas as experiências dos visitantes (e pelo jeito só alguns indivíduos tinham esse conhecimento, já que Bernard mencionou no episódio passado não saber que isso estava acontecendo). Mas se for assim, qual o interesse de Dolores nesse assunto? Por que ela se sente ameaçada com essa questão?

Ainda não entendo a motivação de Dolores, mas pelo menos deu pra ver nesse episódio que ela sabe pra onde está indo. Em compensação, a tentativa dos roteiristas de impressionar com a cena em que “ela” mata os Confederados não me convenceu. Com o nível de violência e talento com arma que eles foram programados para ter, até parece que eu acredito que dois anfitriões (um deles sendo o mocinho da história) iriam conseguir matar eles em alguns segundos, tão facilmente como o fizeram.

Mal vimos Bernard e Maeve esse episódio. O episódio passado me fez acreditar que os dois tinham desbancado o protagonismo de Dolores, mas parece que os roteiristas vão tomar o tempo deles dessa vez para explicar o passado de cada personagem em detalhes. Porém, Maeve não apareceu muito, mas apareceu o bastante pra sambar na cara de Dolores e lhe dar uma lição de moral. Rainha né. Por um momento me deu um medo das duas se juntarem, porque aí sim eu levaria as ameaças de Dolores a sério, mas parece que Maeve gosta da ex-mocinha tanto quanto eu.

Para acabar, fica pro próximo episódio entender o que é a arma que Dolores está indo atrás e a história dessa arma em relação à Bill.