Séries Por Elas tem como prioridade máxima noticiar e discutir questões que envolvam o universo das séries. No entanto, vez ou outra, sentimos a necessidade de abordar questões que passem pelo cinema, música e artes de maneira geral. Para isso, criamos a coluna Tudo Por Elas. Nela, uma vez por semana, discutiremos sobre alguma questão do universo midiático e a mulher que não esteja relacionado às séries.

tomb raider

Para quem curte ação e está louca pra ver uma mulher gente como a gente chutando bundas, o novo filme da heroína dos games é a escolha certa!

Ainda bem que a primeira impressão existe para ser quebrada. Quem nunca criticou alguma história apenas por não gostar da escolha do elenco que atire a primeira pedra. Confesso que minhas expectativas para esse reboot da história da Lara Croft nos cinemas com a Alicia Vikander como protagonista estavam abaixo de zero. Sim, eu vi os filmes de 2001 e 2003 com a Angelina Jolie, e sim eu gostei muito deles.

Ok, você vai dizer que os filmes super sexualizam a personagem, que o roteiro é fraco e que as cenas de ação são tão irreais quanto as dos filmes da saga Velozes e Furiosos. E eu concordo com você. Porém estamos falando de duas películas feitas lá no início dos anos 2000, que foram criadas baseadas nos jogos que datam de 1996. Eu não preciso dizer que colocar uma mulher na década de 90 como uma personagem principal de um jogo de vídeo game já foi algo bem ousado. Eles erraram na forma de retratar a personagem e a criaram dentro do padrão “mulher dos sonhos molhados de todo adolescente”? Sim, mas eu disse que a criação foi ousada e não perfeita.

Lara Croft foi apresentada para o público fora dos games em 2001 no filme Lara Croft: Tomb Raider com Angelina no papel principal. Ela retratou fielmente a personagem dos games, com direito a todas as caras e bocas que só Angie consegue fazer. O filme fez o que chamamos de sucesso e garantiu uma sequência em 2003: Lara Croft – Tomb Raider: A Origem da Vida. Em uma análise bem fria, os dois filmes servem apenas para uma sessão da tarde de uma terça-feira chuvosa e olhe lá, mas pra época em que foram lançados, eles serviram para mostrar que as garotas podiam bater muito, atirar, andar de moto, fazer manobras radicais e ainda serem lindas e sensuais! Ruim ou não, eu fiquei bem feliz em ver uma atriz que gostava representando uma personagem legal que era super radical e chutava bundas por onde passava.

Com Angelina gravada na memória (e no coração também) como a Lara Croft, aceitar que iriam fazer um reboot dos filmes e ainda escalando a Alicia Vikander (só lembro dela fazendo filmes dramáticos) para o papel principal, revirei os olhos sim, fiz cara de nojinho e não coloquei nenhuma ficha nesse filme, até o trailer! Como uma não jogadora dos games (tentei apenas uma vez jogar e matei tanto a Lara Croft que fiquei com pena da coitada e desisti do jogo), eu estava por fora que o próprio jogo sofreu um reboot ali em 2013 e a Lara que apresentaram para o público estava muito mais humana que a anterior.

E foi graças ao reboot do game que tivemos a chance de ver Lara novamente nos cinemas. Já no primeiro trailer ficou bem claro a inspiração dos produtores do filme e Alicia tinha se tornado a Lara Croft daqueles jogos: o visual era idêntico, a história apresentada no trailer era a mesma do jogo, e deu para perceber o quão mais humana essa Lara estava apenas naquela primeira apresentação. Bastou eu colocar os olhos no trailer e colocar as minhas expectativas nas alturas com o filme, e agora vos digo com toda certeza do mundo, eu não me decepcionei!

Vou tentar evitar, mas pode ter spoilers daqui para frente!

Como acabei de ver o filme e já estou escrevendo, minha adrenalina ainda está em alta com o que vi na tela do cinema. O roteiro do filme não foge do clichê de nenhum filme de ação ou de heróis que temos visto: o pai da Lara desaparece, ela não aceita a morte dele, encontra uma pista deixada pelo o homem, resolve ir atrás dela, sofre um naufrágio e acaba em uma ilha que estava sendo explorada pelos vilões. Lara caiu no meio da treta e bem, não preciso nem dizer como termina, não é mesmo?

Não existe nenhuma grande reviravolta no desenvolver da história, nenhum grande diálogo que mereça ser lembrado, nem mesmo uma frase de efeito memorável. O roteiro é bem simples e bem plausível para o tipo de filme apresentado. Vi algumas pessoas reclamando da representação da Lara “pobre” e confesso que adorei essa parte. A primeira sequência do filme deixa claro que a protagonista é gente como a gente: ela trabalha duro, tem contas atrasadas para pagar, sofre muito a perda de um ente querido e treina pesado. Essa parte do treino é a mais importante na minha opinião, pois lá frente, quando vemos Lara batendo nos caras que são maiores e bem mais fortes que ela, sabemos que ela treinou para conseguir fazer aquilo. Assim como as cenas de corridas e de força que a personagem faz se tornam real porque lá no começo nós vimos Lara treinando, vimos ela pedalando, vimos ela usando toda a sua inteligência para vencer no dia a dia (ok, tem uma cena com paraquedas que ficou um pouco demais, mas dá para relevar).

Diferente da Lara de Angelina, essa Lara agora apanha muito e para a surpresa geral da galera, ela sente dor! Sim, vemos em várias cenas ela gritando de dor e vemos também o medo presente em seu olhar. Graças a boa interpretação da Alicia nos identificamos com a Lara em todos os momentos, inclusive os de dor e de medo. Foi ótimo ver uma mulher forte e decidida ter medo quando uma arma é apontada para a sua cara, porque eu imagino que é assim que a gente se sente quando alguém aponta uma arma! Foi ótimo ver a luta interna que ela travava para acreditar nas histórias do pai, e de como foi difícil perceber que o homem estava certo e não louco. Foi maravilhoso ver ela enfrentando seus medos pelo que achava correto, lutando e chutando as bundas e ficando machucada por conta, como qualquer ser humano real. Foi muito bom sentar na cadeira do cinema e ver uma mulher se descobrindo e encontrando o seu papel no mundo. Espero ansiosa pelo retorno de Lara e Alicia as telonas, amei muito meu encontro com elas, e estou pronta para repetir a dose.

Algumas curiosidades sobre o filme:

– Alicia treinou pesado por cerca de 4 meses para ganhar o corpo esculpido da Lara Croft. Foram mais ou menos 10kg de massa magra conquistados com uma rotina pesada de exercícios e nutrição. Em uma entrevista, ela contou que perdeu grande parte do que ganhou em apenas 3 semanas. (Ainda assim, fiquei apaixonada pelo tanquinho dela!)

– Alicia declarou que se a Lara Croft podia fazer tudo aquilo (as cenas de ação), então ela também seria capaz de fazer. Tirando algumas cenas em que o diretor achou perigosa demais, a atriz fez todas as cenas de ação da personagem. Para Alicia, as piores foram as cenas dentro da água, já que a temperatura da mesma estava muito baixa e em uma ocasião ela chegou a ficar com os lábios roxos de tanto frio.

– Em todas as suas representações nas telonas, Lara Croft foi interpretada por uma atriz vencedora do Oscar, inclusive na mesma categoria: Em 2000 Angelina Jolie ganhou como melhor atriz coadjuvante por Garota Interrompida, e em 2016 Alicia Vikander ganhou o prêmio na mesma categoria por A Garota Dinamarquesa.

– Depois de cinco semanas com Pantera Negra no topo das bilheterias nacionais, a estreia de Tomb Raider tirou o filme da Disney da primeira colocação! Go girl!