Home Crítica “Sense8” arrisca e não decepciona no especial de Natal
“Sense8” arrisca e não decepciona no especial de Natal

“Sense8” arrisca e não decepciona no especial de Natal

0
0

 

Duas horas de episódio nem sempre é uma boa ideia. O perigo de tornar a trama arrastada é quase impossível de se contornar. Mas Sense8 conseguiu tal proeza! Duas horas muito bem aproveitadas, e apesar de se tratar de um “especial de Natal”, eles foram além. A sensação é a de que finalmente temos um final de temporada. Para quem não lembra, Sense8 terminou com a história aberta, sem deixar pistas sobre o que poderia acontecer numa segunda leva de episódios. Mas agora, queridos, nós temos todas!

Durante os primeiros 15 minutos, as histórias de cada personagem são apresentadas. Essas histórias devem acompanhá-los durante toda a segunda temporada, já que nenhuma se concluiu, obviamente. Nomi continua fugindo dos agentes do governo. Kala tenta se acertar com seu marido.  Wolfgang e Capheus tentam se livrar dos chefões do crime de suas respectivas cidades. Lito resolve assumir sua orientação sexual. Sun vê todas as suas chances de sair da cadeia, bloqueadas pelo irmão. E Will, com a ajuda de Riley, está vivendo sob o efeito da heroína para fugir dos olhos e da mente do Whispers.

De alguma forma, todos estão presos. Esse sentimento claustrofóbico, brilhantemente construído pelo roteiro e a direção é o contraplano ideal para dar mais força às cenas onde nossos sensates estão conectados. É bonito ver Sun comemorando seu aniversário numa festa em Positano. Você dá boas gargalhadas enquanto Kala assiste Wolfgang transar com uma desconhecida do Tinder. É incrível todo mundo se devorando numa orgia. O sexo, aliás, é visto com bastante frequência no especial. Um risco assumido, mas necessário quando você quer contar uma história sobre a busca pela liberdade.

É inegável que a conexão entre eles está cada vez mais forte e os pares, mais desenhados. Além de Riley e Will, Kala e Wolfgang, durante as cenas Capheus e Sun, Lito e Nomi falam sobre terem uma conexão diferente, o que provavelmente será explorado melhor na segunda temporada. O elenco está integrado e afiadíssimo, com uma estrelinha especial para Doona Bae, a intérprete de Sun. A personagem tem nuances muito delicadas e, durante o episódio, vai (em segundos) da ternura ao extremo da agressividade. Doona foi impecável em todos os momentos, e sua Sun talvez seja a mais empática entre eles.

O especial de Sense8 foi um belo presente de natal para os fãs da série. A luta dos sensates para serem quem são, e a conexão emocional entre eles, é tocante. Esse sentimento de irmandade, essa humanidade aflorada, é de encher os olhos d’água. A cena onde Lito vê seu muro pichado com xingamentos e todos os outros sentem a raiva e a frustração de também serem rotulados, é um belo exemplo da mensagem intrínseca da série. Somos todos iguais, pois somos todos humanos. Em tempos difíceis como os que estamos vivendo, essa é uma bela reflexão para 2017.

Bianca Lanzelotti Meu pai e minha mãe me deram muito amor, mas quem me criou mesmo foram Brandon e Brenda. Com uma ajuda da Buffy e do Dean Cain.

LEAVE YOUR COMMENT

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *