Home Personagem do mês A luta de Nomi Marks diz respeito a todas nós
A luta de Nomi Marks diz respeito a todas nós

A luta de Nomi Marks diz respeito a todas nós

0
0

A coluna Personagem do Mês apresenta quatro textos (um por semana) sobre uma personagem escolhida pela equipe do Séries Por Elas. Esses textos seguem a seguinte lógica:
1ª matéria: conta a trajetória da personagem e explica por que ela mereceu ser a personagem do mês
2ª matéria: mostra o que podemos aprender com a personagem e o que é melhor deixar pra lá
3ª matéria: buscamos inserir a personagem no contexto do blog, fazer link com empoderamento e feminismo
4ª matéria: vamos falar pouco da atriz. Curiosidades, declarações importantes e fofoquinhas saudáveis

Nomi Marks é uma mulher excepcional. Ela inspira a todas e todos ao seu redor. Suas ideias sobre perdão e aceitação impactam positivamente a vida das pessoas que convivem com ela. Seu senso de humanidade é fora do padrão. Ela está disposta a se doar a quem for preciso. Mesmo que isso signifique encarar quem muito lhe fez mal. E tudo isso, tudo o que ela é, é fruto de uma luta pessoal cheia de obstáculos. Uma luta por se aceitar e pela aceitação em uma sociedade tão machista, permeada por estereótipos de gênero, que é a nossa.

Em diversos momentos de Sense8, a personagem deixa explícito que sua luta não é apenas pelo direito de ser quem é, mas pelo direito de que todas nós sejamos quem somos. Em um vídeo que gravou antes de participar de uma parada do orgulho LGBTQ, ela disse: “Eu não sou só um eu, eu também sou um nós”. Essa sua percepção de coletividade tem tudo a ver com o feminismo que eu defendo, que pensa nas mais diversas identidades de gênero. E que luta por um mundo em que essas identidades sejam respeitadas. Há tantas formas de ser mulher. E Nomi nos mostra isso muito bem.

Como eu já disse no meu segundo texto sobre Nomi, a personagem foi construída de uma forma tão primorosa que só sua existência já nos ensina muito. Ela, sendo uma mulher trans e lésbica, exemplifica didaticamente a diferença entre identidade de gênero e orientação sexual. Quem acompanhou sua trajetória desde a primeira temporada consegue entender melhor essa diferença. Nomi nasceu em um corpo, em termos biológicos, com órgãos genitais masculinos. Mas ela não se identifica como um homem e sim como uma mulher. Por isso, ela é uma mulher trans. Caso se identificasse com o sexo com o qual nasceu, seria um homem cis.

Além disso, Nomi se relaciona sexual e afetivamente com uma mulher. Concluímos, por sua trajetória na série, que ela é uma mulher trans e lésbica. A primeira questão faz referência a sua identidade de gênero e a segunda, a sua orientação sexual. Para quem tinha dúvidas sobre essas questões, a vivência de Nomi é uma verdadeira aula. Pessoalmente, eu acho muito importante, enquanto feminista, fazer o exercício de me deslocar para tentar compreender as experiências alheias. Aliás, a personagem de Nomi nos ensina isso o tempo todo: empatia para compreender e ser compreendida.

Quando Nomi luta pelo direito de ser a mulher que é, questionando todos os padrões de comportamento que são impostos às mulheres, ela também luta pelo direito de todas nós. Luta pelo direito de podermos fugir à norma, construindo novas percepções sobre o que é ser mulher. Luta para que, mesmo com uma existência contestadora, possamos viver com respeito e dignidade.

E essa é também a minha luta!
Isabella Mariano Jornalista, poeta, feminista e completamente impulsiva. Gosta de beber cerveja, ouvir música, tatuagens e de cachorros. Atualmente, tenta lidar com o vício em Game of Thrones, Sense8 e Gotham da melhor forma possível. Mas é aquele ditado, vamos fazer o quê?

LEAVE YOUR COMMENT

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *