Na semana passada, aconteceu mais uma edição do The Power of TV (O Poder da TV) organizada pela Television Academy Foundation e o tema da vez tratou sobre a inclusão latina na mídia televisiva.

Presentes no evento estavam Justina Machado e Gloria Calderon Kellett, respectivamente a protagonista e a showrunner da série One Day At a Time, Tanya Saracho, que é showrunner de Vida junto às atrizes da série Melissa Barrera e Mishel Prada. Todas debateram sobre suas experiências e histórias em Hollywood.

Para Justina, a questão da falta de representatividade latina na TV deve ser combatida com a união. “Acho que como Latinos, precisamos nos unir. Há tanta divisão: você é isso, eu sou aquilo; o que está pensando ao fazer aquele papel, você não tem aquela etnia. Nos subjulgamos às vezes e acho que se nos uníssemos – e acho que isso está acontecendo – não posso imaginar o quão forte seríamos”, disse a atriz.

Kellett reforçou a importância da unificação de diversas culturas latinas porque o apoio à produções bem feitas impulsiona os estúdios a continuarem investindo nestas produções, do contrário eles usarão mais uma vez a desculpa que ela disse já ter ouvido bastante: “Nós tentamos, mas não sabíamos que os próprios latinos não queriam se ver na televisão”.

Ela ressaltou como o Twitter funciona como medidor de qualidade de uma série e incentivou ao público a compartilhar opiniões positivas sobre a trama por lá além de declarar que faz questão de trazer mulheres e pessoas negras para trabalhar na parte criativa de suas tramas, porque segundo a mesma: “Não estamos contratando funcionários, estamos contratando futuros showrunners. Precisamos desenvolve-los de dentro para fora e propiciar uma oportunidade para que tenham sucesso”.

Saracho complementou que é essencial ter o apoio financeiro das emissoras e estúdios para promover a diversidade, citando o exemplo da Starz com a série Vida, que não só deu o aval para que ela contratasse um staff inteiro de escritoras latinas e chefes de departamento só mulheres como investiram pesado na divulgação da trama. Ela relembra que disse a eles: “Obrigada por nos promover como uma série de brancos, porque isso significa que somos valorizados”.

Quando veio à debate o porquê da comunidade latina ser uma das grandes consumiradoras de mídia e tecnologia e ainda assim ter problemas com representatividade, Saracho colocou: “Somos invisíveis de diversas formas neste país. Há crianças em jaulas e agora isso foi esquecido, mas elas ainda estão lá. Somos invisíveis por todo o país, então tentar consertar isso só na TV é muito difícil”.

Utilizando outros exemplos para tratar sobre o tema da invisibilidade, as mulheres ainda mencionaram a nova série da CBS Magnum P.I., que tem um protagonista latino (Jay Hernandez), mas nenhum escritor latino.

A showrunner de Vida finalizou: “Temos que ocupar os espaços. Somos invisíveis porque eles nos invisibilizam, mas passamos a acreditar nisso. Vamos deixar de creer nisso, vamos fazer barulho”.