assedios hollywood 2017

2017 dividiu a história da indústria americana cinematográfica após centenas de mulheres denunciarem os assédios sofridos em seus ambientes de trabalho.  Abusos verbais, físico e psicológicos passaram a fazer parte dos noticiários antes apenas preocupados com qual grande marca assinaria os vestidos glamurosos vistos em cerimônias como a entrega do Oscar e do Emmy.

Com isso, uma luta até então silenciosa na maioria dos espaços (incluindo a grande mídia) ganhou uma projeção nunca antes vista. Homens como os atores Dustin Hoffman, Ben Affleck, Kevin Spacey, o produtor Harvey Weinstein e os diretores Brett Ratner, James Toback, Lars von Trier finalmente passaram a ser vistos não como brilhantes em suas profissões, mas como reprodutores de comportamentos machistas, misóginos e violentos.

O estudo Women On Screen and Behind the Scenes in Television publicado anualmente pelo Center for the Study of Women in Television & Film, evidenciou que no período 2016-17, as mulheres somaram apenas 28% de todos os criadores, diretores, escritores, produtores, produtores executivos, editores e diretores de fotografia trabalhando em redes de transmissão, cabos e programas de transmissão americanos.

Já a ONG Women in Film apontou que de 866 filmes produzidos em Hollywood entre 2002 e 2016, apenas 4,1% foram comandados por mulheres, conforme estudo da Universidade Annenberg, na Califórnia. Todo esse cenário contribui para que comportamentos machistas e misóginos sejam reforçados a cada ano dentro da indústria do entretenimento.

Nós, do Séries Por Elas, torcemos muito para que este ano seja apenas o primeiro da quebra do silêncio de séculos. Que venha um futuro cheio de voz, poder e afirmação feminina!

RELEMBRE OS ACONTECIMENTOS:

  • 05/10: o jornal The New York Times publicou matéria em outubro com denúncias assinadas por atrizes como Ashley Judd e Rose McGowan contra o poderoso produtor Harvey Weinsten.
  • 10/10: Cinco dias depois da denúncia vir a público, treze novas mulheres deram seus depoimentos contra Weinsten para a revista New Yorker, agora incluindo o depoimento da atriz e diretora italiana Asia Argento que afirmou ao site que ele fez sexo oral de forma forçada nela. Argento contou que seu medo, na época, era que Weinstein acabasse com sua carreira por conta de sua importância: “Sei que ele já tinha acabado com várias pessoas antes. É por isso que essa história – no meu caso tem 20 anos, algumas são mais antigas – nunca apareceram”.
  • As atrizes Cara Delevingne, Angelina Jolie, Lupita Nyong’o, Léa Seydoux, Lena Headey, Gwyneth Paltrow, Salma Hayek e tantas outras se declararam vítimas de Weinstein.
  • As vítimas compilaram um documento sobre os assédios sofridos e, de acordo com o material, Weinsten assediou sexualmente 82 mulheres.
  • Legalmente, Weinstein enfrenta três forças de investigação em uma operação — chamada Kaguyak — que engloba as polícias de Nova York, Los Angeles e Londres.
  • 10/10: Ben Affleck, que afirmou se sentir “enojado” após saber sobre os casos mais graves, mas uma polêmica envolvendo o ator também tomou forma. Em resposta à declaração, a atriz Hilarie Burton lembrou um caso de 2003, quando Affleck tocou seu seio nos bastidores de um programa da MTV.
  • 10/10: George Clooney, que disse ter ouvido rumores sobre o comportamento, mas não deu importância: “Os rumores geralmente eram dos anos 90, de que algumas mulheres dormiram com ele para conseguir um papel. Mas isso parecia uma maneira de diminuir as mulheres, dizendo que elas não conseguiram os papéis pelo talento, então não levei esses rumores à sério”.
  • 17/10: As atrizes Reese Witherspoon e Jennifer Lawrence falaram à revista Elle das próprias experiências com assédios cometidos por homens da indústria cinematográfica.
  • 30/10: Anthony Rapp (Star trek) denunciou Kevin Spacey por assédio sofrido aos 14 anos, quando contracenou com a estrela de House of cards (com 26 anos na ocasião) em uma peça. Spacey pediu desculpas e, pela primeira vez, se declarou gay publicamente.
  • 30/10: Segundo o Yahoo Movies, mais de 300 mulheres já acusaram o diretor e roteirista James Tobackde assédio sexual.
  • 01/11: Dustin Hoffman, 80 anos,  foi acusado de abuso sexual por seis mulheres, entre eles duas produtoras e uma atriz.
  • 02/11: Alec Baldwin admitiu que foi misógino. Durante um evento no Paley Center, onde ele foi homenageado, o ator falou sobre o seu comportamento em relação às mulheres. “Eu certamente tratei mulheres de uma maneira muito sexista. Eu fui um bully. Eu menosprezei mulheres. Eu subestimei mulheres. Não era uma regra, mas de tempos em tempos eu fiz o que muitos homens fazem, que é… quando você trata mulheres de uma maneira diferente da qual trata homens. Eu sou de uma geração que não trata igual e gostaria de mudar. Eu realmente gostaria que isso mudasse”.
  • 07/11: A atriz Kristina Cohen acusou Ed Westwick, famoso por interpretar Chuck em Gossip Girl, de tê-la estuprado há três anos. Ela estava na companhia do seu então namorado, cuja identidade ela manteve em segredo, apenas o chamando de “produtor”.
  • 09/11: Louis C.K. é acusado de assédio por cinco mulheres
  • 10/11: Matthew Weiner, o criador de Mad Men, foi acusado de assédio sexual pela ex-roteirista Kater Gordon.
  • 10/11:  três mulheres acusaram Eddie Berganza, editor da DC Comics, de assédio sexual entre 2006 e 2010.
  • 10/11: Depois da distribuidora Orchard desistir de lançar seu filme, Louis C.K. também teve seus laços cortados com o canal FX, após os casos de assédio sexual
  • 11/11: Ellen Page falou sobre o ambiente de assédio criado pelo diretor Brett Ratner no set de X-Men: o Confronto Final.
  • 11/11: Andrew Kreisberg, produtor de Flash e Supergirl, é suspenso após acusações de assédio
  • 13/11: Nove ex-funcionárias do estúdio dinamarquês Zentropa, que tem entre os sócios o diretor Lars Von Trier, fizeram denúncias de assédio sexual e moral dentro da empresa. As vítimas relataram ao jornal Politiken que o ex-CEO Peter Aalbæk Jensen apalpava seus seios, gemia enquanto elas estavam ao telefone e, inclusive, pedia para que elas deitassem no seu colo para apanharem.
  • 13/11: O diretor italiano Fausto Brizzi foi acusado de assédio por pelo menos 10 mulheres. As denúncias se iniciaram no programa italiano Le Lene, onde duas mulheres disseram que o diretor se aproveita da posição de autoridade para tocá-las, acariciá-las e propor testes de câmera impróprios.
  • 14/11: O elenco e a equipe de One Tree Hill escreveram uma carta aberta acusando o showrunner Mark Schwahn de assédio e apoiando as declarações anteriores da roteirista Audrey Wauchope
  • 16/11: O Daily Mail publicou, nesta quinta-feira (16), o boletim de ocorrência de uma adolescente de 16 anos que acusou Sylvester Stallone e o segurança dele, Michael “Mike” De Luca, de estupro nos anos 1980
  • 17/11: Jeffrey Tambor, que vive a protagonista de Transparent recebeu novas acusações de assédio. Recentemente, o ator foi alvo de denúncias feitas por uma ex-assistente e está sendo investigado pela Amazon. Agora, a atriz Trace Lysette, que interpreta Shea na série, publicou um texto em sua conta de Twitter acusando Tambor de comportamentos abusivos.
  • 29/11: Andrew Kreisberg, produtor executivo de The Flash e Supergirl, foi demitido após acusações de assédio.
  • 19/12: O ator e comediante T.J. Miller, conhecido por seu papel em Silicon Valley e Deadpool, foi acusado de assédio sexual e agressão, de acordo com o The Daily Beast. Segundo a vítima, que não quis se identificar, os crimes teriam acontecido na época em que ele estava na faculdade.

 

DESDOBRAMENTOS:

  • Harvey Weinstein foi demitido de sua própria empresa e expulso do Oscar;
  • Kevin Spacey foi demitido da série “House of Cards”;
  • Academia de Artes e Ciências Cinematográficas dos Estados Unidos, responsável pela premiação, adotou um código de conduta e alertou seus membros de que se reserva o direito de expulsar qualquer um que ignore as novas regras;
  • A revista “Time” consagrou como personalidade do ano as mulheres que romperam o silêncio contra o assédio em 2017;
  • Em comunicado à VarietyViola Davis definiu a questão: “O predador quer o seu silêncio. Isso alimenta seu poder, seu direito e eles querem que isso se alimente da sua vergonha. Nossos corpos não são ‘espólios de guerra’, um troféu para ser colecionado e alimentar o seu ego. Ele é nosso!!! Não pertence a você!!! E quando você pega isso sem permissão, isso destrói, como um vírus. Aos predadores, Weinstein, o estranho, o parente, o namorado… eu digo para vocês: você escolhe o seu pecado, mas não escolhe as consequências. Para as vítimas: eu vejo vocês, eu acredito em vocês e estou escutando”;
  • Grandes nomes de Hollywood criaram uma comissão para combater o assédio sexual na indústria do entretenimento. A iniciativa foi anunciada por um comunicado, segundo o “New York Times” e é liderada pela advogada Anita Hill. A Commission on Sexual Harassment and Advancing Equality in the Workplace (comissão sobre assédio sexual e promoção da igualdade no ambiente de trabalho) foi idealizada pela produtora de Star Wars Kathleen Kennedy, pela co-presidente da Nike Foundation, Maria Eitel, pela advogada Nina Shaw e pela investidora Freada Kapor Klein;
  • O site Rotten Apples criou um mecanismo que permite aos seus usuários que busquem títulos de filmes e séries e responde se algum nome envolvido nas produções está ligado a escândalos sexuais. Ao buscar o nome de uma produção, o site responde se a obra tem “fresh apples”, isto é, nenhuma polêmica envolvida, ou “rotten apples”, quando há nomes que já foram acusados.

 

NO BRASIL

Não podemos deixar de mencionar também que 2017 foi o ano em que a figurinista Susllem Meneguzzi Tonani teve a coragem de acusar de assédio um dos atores mais prestigiados pela televisão brasileira, José Mayer. Após o episódio, funcionárias da Globo fizeram reuniões para discutir a temática com a presença de mulheres com diferentes funções na empresa.

A Globo resolveu então suspender o ator José Mayer de produções dos Estúdios Globo por tempo indeterminado.