Doppelgänger” (6×15) foi dirigido por Kristin Windell e escrito por Christos Gage & Ruth Fletcher Gage. Arrow nos presenteia com um episódio repleto de surpresas, emoções e revelações inesperadas. Se os episódios anteriores foram fracos e não nos fizeram sentir nenhum tipo de empatia pela situação dos personagens, esse trouxe à tona toda o sentimentalismo que guardamos para alguns personagens especiais que não apareciam na série há um bom tempo.

Um dos pontos altos do episódio é ter o Roy Harper de volta, depois de 2 anos afastado da série, o personagem é trazido de volta com uma função bem justificada, de testemunhar contra Oliver e pôr um fim nessa história de revelar ou não a sua identidade secreta. O outro ponto positivo é terem dado um propósito na trama a Thea, que não fez muita diferença desde que acordou do coma, e estava apenas completando o Team Arrow como um membro qualquer, o que não é de forma alguma o caso dela.

A personagem teve a chance de colocar novamente o seu uniforme de vigilante e voltar a ser a Speedy, e brilhar muito roubando as cenas em “Doppelgänger” sendo pela sua postura em não abrir mão de participar do resgate de Roy, tanto por conseguir transmitir seus sentimentos pelo seu par romântico que se afastou dela durante dois anos, de um modo que faz parecer que o tempo que eles passaram separados não afetou em nada os sentimentos dos personagens, sem parecer forçado ou artificial.

Imagem relacionada

O que foi uma forma genial de dar a chance da personagem Thea, interpretada pela atriz Willa Holland, se despedir da série de maneira digna sem deixar um buraco sem sentido na história. Sobre a sua saída da série, que já tinha sido deixado certos indícios de que a sua participação na série estava chegando ao fim, é perfeito que o momento da sua despedida seja quando a sua personagem ganha a chance de prender as pontas soltas que foram deixadas de lado ao longo dos seis anos da sua trajetória.

A Thea Green ganha uma despedida que condiz com a sua desenvoltura ao longo dos seus anos lutando ao lado do Team Arrow, e teve a chance de finalmente ter o seu final feliz ao lado do Roy Harper, algo que os fãs querem a muito tempo. 

E falando em surpresas quem apostou na permanência da Black Siren na série acertou, a vilã está cedendo cada vez mais ao seu lado humano e bondoso resultado da influência do Detetive Lance, ou talvez isso seja apenas parte do seu novo plano, já que a mesma aproveitou a oportunidade e insistência do Detetive Lance para que ela se tornasse parecida com a verdadeira Laurel Lance, então aproveitando a situação ela se jogou de cabeça nessa história de ser boa, e roubou a identidade da falecida.

Resultado de imagem para Arrow 6x15 review

Em parte, esse plano é uma proteção contra a Black Canary já que os últimos acontecimentos apenas aumentou o ódio entre as duas, e com a sua nova identidade de uma pessoa pública ela vai se proteger por enquanto do tão esperado confronto final entre a Black Siren e a Black Canary.

E se no episódio anterior não tivemos nem sombra da presença do vilão Ricardo Diaz, em “Doppelgänger” ele faz questão de comparecer e revelar partes do seu plano de controlar Star City, que de certa forma agradou os seus parceiros Anatoly e Black Siren, que gostou tanto do plano que até aceitou o seu papel de ser a infiltrada no Team Arrow, e lhe passar as informações relevantes.

Sobre o outro time de vigilantes, a presença deles no episódio é passageira, afinal não há muito que eles possam fazer no momento: enquanto Rene se recupera no hospital, Curtis lida com a tarefa de contar a filha dele Zoe sobre o seu acidente e a sua recuperação no hospital.

Entretanto, não somos informados sobre mais nada a respeito do assunto. Ao longo do episódio o foco volta para o resgate do Roy e sobre como lidar com a “nova Laurel”. Um ponto positivo deve ser acrescentado ao comportamento da Dinah que conseguiu segurar a sua raiva e trabalhou muito bem ao lado do Oliver.

“Doppelgänger” cumpre o que promete e nos faz querer ter mais episódios assim daqui para frente, que nos entretenha, emocione e deixe um gosto de quero mais. Podemos apenas esperar que os últimos dez episódios de Arrow dêem conta desse trabalho.

Não percam a resenha do próximo episódio “The Thanatos Guild” (6×16). Confira a promo: