Recentemente, o mundo foi presenteado pela estreia da série American Gods. O show é baseado na obra homônima de Neil Gaiman, um romance cheio de fantasia que mistura diferentes ícones da mitologia antiga e moderna. Como protagonista, temos Shadow Moon, um cara que a gente ainda não sabe muito bem como e porquê foi parar no meio disso tudo. Foram oito episódios majestosos nesta primeira temporada. E, como já falamos aqui, a segunda temporada já está confirmada, graças aos deuses!

A iminente guerra entre os Velhos Deuses e os Novos Deuses foi a base para esta temporada. Para quem ainda está um pouco perdido, decidimos preparar uma lista com os principais deuses já introduzidos no seriado. Depois vai ficar mais fácil decidir em qual time você está: #TeamOldGods ou #TeamNewGods?

Mr. Wednesday (Odin)

Só Shadow que demorou a perceber que Mr. Wednesday era ninguém menos que Odin. Pertencente à mitologia nórdica, Odin, do reino de Asgard, é referenciado em diversas histórias de ficção. Esse deus já teve mais de 200 nomes ao longo da história e o seriado não deixa de brincar com isso. Durante a primeira temporada, o personagem interpretado por Ian McShane já foi chamado de Wednesday, Grimnir, Pai e outros. Ele é um deus muito poderoso, também conhecido como “Pai de Todos”. Obviamente, Odin é do time dos Velhos Deuses e é quem está mais determinado a lutar essa guerra.

Mr. Nancy (Anansi)

“Deixe-me contar uma estória.”

Mr. Nancy é um dos deuses antigos. A referência vem de uma lenda africana que conta sobre um tempo em que todas as histórias pertenciam a Nyame, o Deus do Céu. Na lenda, Kwaku Anansi, o Homem Aranha, queria comprar as histórias de Nyame para contá-las ao povo de sua aldeia. No fim, ele consegue o que queria e leva consigo o baú das histórias. Quando ele abriu, as histórias se espalharam pelos quatro cantos do mundo até chegar a nós. Não é à toa que, em sua primeira aparição no seriado, Nancy começa dizendo “Deixa eu te contar uma história“.

Mr. Jacquel (Anubis)

Mr. Jacquel é Anubis, o deus egípicio dos mortos. Ele é quem conduz a alma dos mortos no submundo. Os egípcios acreditavam que, após a morte, haveria um julgamento no qual o coração do morto era pesado numa balança com a Pena da Verdade. Se o coração fosse mais pesado do que a pena, o defunto era comido por um demônio. Caso fosse mais leve, a pessoa poderia ter acesso ao paraíso ou voltar ao seu corpo. No seriado, Anubis é um dos Velhos Deuses e trabalha em uma funerária ao lado de Mr. Ibis.

Mr. Ibis (Toth)

Mr. Ibis é Toth, um deus egípcio, que possui uma cabeça de íbis. Ele é o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. É justamente por isso que está sempre escrevendo as histórias da chegada às Américas. Toth também é um dos Velhos Deuses.

Bilquis

Em American Gods, Bilquis interpreta a deusa do amor. Ela faz parte dos Velhos Deuses, mas acabou se envolvendo com os Novos Deuses, com quem está em dívida. Sua personagem é uma referência a uma poderosa rainha da Etiópia, a Rainha de Sabá. No seriado, ela representa lindamente a força, a inteligência e a beleza de todas as mulheres.

Czernbog 

Czernbog, em American Gods, é o deus do mal. O personagem é uma referência a um deus eslavo que, segundo interpretações cristãs, era um deus sombrio e maldito. Ele é um dos Velhos Deuses e parece muito insatisfeito com sua vida de deus esquecido. Mesmo assim não quis se aliar a Odin de primeira. Só depois de Shadow fazer alguns acordos com Czernbog é que o deus maldito concordou em ir até Wisconsin.

Easter (Ostara)

Na série, Easter é a deusa da primavera. Ela também foi chamada por Odin de Ostara. Nas mitologias anglo-saxã, nórdica e germânica, ela é a deusa da fertilidade, do amor e do renascimento. Em American Gods, seus poderes estão bastante relacionados à terra e à natureza. Por fim, ela decide apoiar a bandeira levantada por Odin, já que ficou bastante esquecida após Jesus Cristo se tornar parte da mitologia cristã.

Mr. World

Mr. World é o líder dos Novos Deuses e pode ser considerado a personificação da ideia de globalização. Seu nome também pode ser uma referência ao “WWW” da internet que significa World Wide Web. É um deus bastante tecnológico que tem o poder de interferir na realidade sem muitos empecilhos. E é justamente aí que está seu poder e por isso, ele é o principal antagonista de Odin nesta guerra.

Technical Boy

Technical Boy é o deus da tecnologia. Ele é um garoto mimado, mas muito esperto. Seu ponto forte é justamente a o conhecimento na manipulação de toda e qualquer tecnologia digital. Ele vive de “likes” e engajamento nas redes sociais. Em American Gods, a existência de um deus depende da crença e da devoção das pessoas. Por isso, os novos deuses são muito poderosos e ninguém parecia querer questionar a soberania que eles alcançaram. Até agora.

Media

Media é a deusa da televisão, sendo a personificação das mídias de massa e do entretenimento. Por isso, ela se manifesta com diversas aparências, de Marilyn Monroe a David Bowie. Ela tem o poder de popularizar culturas e informações. É exatamente por esse motivo que os Velhos Deuses dependem tanto dela. Eles precisam continuar sendo conhecidos pelos humanos para se manterem vivos. E Media tem esse poder.

Outros personagens

Além dos deuses citados, conhecemos outras figuras mitológicas como Mad Sweeney, um Leprechaun/Duende, da mitologia irlandesa; e The Jinn, uma espécie de gênio da mitologia árabe. De relance, conhecemos ainda Low Key Lyesmith, o deus nórdico Loki, amigo de prisão de Shadow. Acredito que é provável que saibamos mais sobre ele na próxima temporada. Conhecemos ainda as irmãs Zorya, da mitologia eslava. Laura Moon, a personificação de um zumbi. E Shadow, que parece ter alguma ligação com esse mundo, mas ainda não sabemos qual.

A maioria dos personagens apresentados são relacionados aos Velhos Deuses, porém nem todos apoiam a guerra que Odin está disposto a lutar.

No Séries por Elas, você pode ler as reviews de todos os episódios, clicando aqui.